Páginas

20 de set de 2012

Internauta revela suposta mensagem satânica nos telefones Android

Um vídeo postado no YouTube, mostra uma suposta mensagem 'satânica' que aparece em celulares com o sistema operacional Android. Um site chamado "Mundodesconocido.es" garante que todos os telefones com o sistema operacional Android contém essas mensagens 'satânicas' escondidas.


Com um Samsung Galaxy, clicando diversas vezes sobre a informação "Versão Android" é apresentada uma imagem assustadora, a reprodução de uma tela de Jack Larson em que são exibidas caveiras zumbis usando celulares. Em primeiro plano aparece o boneco "Biscoito de Gengibre" em um conceito diabólico juntamente com o robô Android o seguindo, como se estivesse hipnotizado.



No site Reclame Aqui já são registrados protestos pela "surpresa" no sistema operacional. "O meu sentimento é o de que as empresas de telefonia e tecnologia nos vêem como zumbis alienados, sem vida. Para usuários como eu, que tem crença fundamentada na fé Cristã, isso é uma ofensa, que deixa um profundo sentimento de desrespeito e engano ao consumidor."

Representação

Os chamados easter eggs (ovos da páscoa em inglês) são brincadeiras e surpresas escondidas dentro de páginas da web, jogos e programas. Muitas pessoas passam anos utilizando um mesmo software e não chegam a descobrir algum recurso praticamente invisível.


De acordo o portal mundo desconhecido a imagem possui relações com magia negra, para controlar os usuários através do telefone.

Mundodesconocido|Pátio Gospel Noticias

Continue lendo >>

Ponto Frio é obrigado a indenizar vendedora alvo de palavrão para cumprir metas

Notícias Gospel Ponto Frio é obrigado a indenizar vendedora alvo de palavrão para cumprir metas | Noticia Evangélica GospelA 6ª turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) condenou o Ponto Frio a indenizar uma ex-vendedora com o equivalente a 40 salários que recebia na época em que era empregada – cerca de 100.000 reais.

No processo apresentado ao TST, a ex-funcionária afirma que sofria assédio moral de seu supervisor. Segundo ela, nas reuniões de cobrança de metas, o chefe recorria a palavrões, piadas depreciativas sobre mulheres e gestos obscenos.

Ainda segundo o TST, a mulher trabalhou na loja do Ponto Frio em Santa Felicidade (PR), entre junho de 2007 e abril de 2008. As reuniões de cobrança de metas começariam, segundo a reclamante, com o supervisor pomovendo um clima de "terror psicológico", expondo casos de fracasso de colegas demitidos por não cumprir as metas. Ainda segundo a reclamante, parte de seus colegas recorriam a remédios para suportar a pressão.
Sem procedência

Segundo o TST, em sua defesa, o Ponto Frio afirmou que “jamais existiu o alegado assédio moral”, e que o supervisor “jamais se dirigiu a ela” do modo narrado. Ainda segundo o TST, o Ponto Frio afirmou também que a vendedora “sempre foi tratada de forma profissional e absolutamente respeitosa”. Por fim, o Ponto Frio, segundo o TST, argumentou que a ação apresentada tinha finalidade “única e exclusivamente lucrativa.”

O processo foi apresentado, inicialmente, à 17ª Vara do Trabalho de Curitiba. Com base em depoimentos de testemunhas, o juiz determinou a indenização em 40 vezes o salário da mulher – cerca de 100.000 reais. Em um recursos apresentado ao Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Vara (PR), o Ponto Frio conseguiu reduzir o valor para 5.000 reais.

O Ponto Frio recorreu, ainda, ao TST para reduzir a indenização a 3.000 reais. O Tribunal, porém, não reconheceu os argumentos apresentados pela rede de varejo, e manteve a indenização inicial de 40 salários.

Fonte: Exame | Divulgação: Midia Gospel

Continue lendo >>