Páginas

24 de fev de 2012

VIAGENS TREVO TURISMO

A Trevo Turismo traz novos pacotes de viagens, como excursões para Paixão de Cristo em Nova Jerusalém- Pernambuco, excursões para cidade Garanhuns/PE e praia das dunas de Áreia/ Natal/RN. Confira:


       EXCURSÃO PARA O ESPETÁCULO DA PAIXÃO DE CRISTO EM NOVA JESUSÁLEM- PE. ( INGRESSO NÃO INCLUSO).
       DIA 01/ABRIL/2012.
       VALOR R$ 45,00.
       SAÍDA ÁS 07:00 HS.( ALMOÇO NO ALTO DO MOURA/OPCIONAL)
       RETORNO APÓS O ESPETÁCULO.
       MICRO ÔNIBUS, COM AR TV, SOM E SERVIÇO DE BORDO.
       LOCAL DE SAÍDA PRAÇA DO DERBY (AO LADO DO BANCO BRADESCO).

       EXCURSÃO PARA GARANHUNS/PE. COM VISITA NO SANTUÁRIO DE MÃE RAINHA, RELÓGIO DAS FLORES, PARQUE RUBER VAN DER LINDER, O CRISTO,CASTELO, IGREJA REDONDA E CASA DO CHOCOLATE. ( ALMOÇO NÃO INCLUSO- OPCIONAL)
        DIA 27/MAIO/2012.
       VALOR R$ 55,00.
       SAÍDA ÁS 05:00HS.
       RETORNO ÁS 17:00HS.
       ÔNIBUS COM AR,TV,SOM.BANHEIRO E SERVIÇO DE BORDO.
       LOCAL DE SAÍDA PRAÇA DO DERBY ( AO LADO DO BANCO BRADESCO).

       EXCURSÃO PARA PRAIA DAS DUNAS DE ÁREIAS, GENIPABU EM NATAL/RN.
       DIA 07/OUTUBRO/2012.
       VALOR R$ 65,00.
       SAÍDA ÁS 01:00HS
       RETORNO ÁS 16:00HS.
       ÔNIBUS COM AR,TV,SOM, BANHEIRO E SERVIÇO DE BORDO.
       LOCAL DE SAÍDA PRAÇA DO DERBY ( AO LADO DO BANCO BRADESCO).

NOVA JESUSÁLEM-PE    
GENIPABU-RN

GARANHUNS-PE




                               

Continue lendo >>

Padre Paulo Ricardo diz que evangélicos são otários por não rezarem a Maria

O padre Paulo Ricardo de Azevedo Junior vem causando polêmica por causa de uma afirmação de que os cristãos protestantes são otários e orgulhosos, por não rezarem a Maria e acreditarem em acesso direto a Deus.Paulo Ricardo aproveitou sua ministração para atacar os evangélicos.

Paulo Ricardo, pertencente ao clero da Arquidiocese de Cuiabá, fala em sua ministração sobre a virgem Maria, e enumera as virtudes de Mariacomo intercessora, o padre critica os protestantes por não aceitarem intermediários perante Deus. “O princípio protestante é um principio orgulhoso. Existe protestante humilde, mas não existe protestantismo humilde. O protestantismo é orgulhoso”, afirma o padre Paulo Ricardo.

Além disso, o padre Paulo Ricardo afirma que o catolicismo ensina a enxergar no próximo um intermediário de Deus: “A minha religião ela é humilde, ela me ensina a humildade, a minha religião me ensina a me inclinar na frente de um pecador, que é outro padre, que é o meu bispo, e beijar a mão daquele pecador, e acreditar que aquela mão é instrumento de santificação, e que pode ser sinal da mão chagada do ressuscitado”.

O ataque segue com a afirmação do padre Paulo Ricardo de que os protestantes são soberbos: “O principio protestante é orgulho é soberbo, o principio protestante é ‘eu não preciso o de ninguém eu vou pra Deus direto. E se Deus quer você use os outros, as criaturas humanas frágeis, o que você faz, otário?”

Ironizando a pregação evangélica, o padre Paulo Ricardo afirma que “Eles repetem que Jesus é o único mediador, babam, bufam”, causando gargalhadas entre os fiéis que acompanham a ministração

O Diário|Pátio Gospel Noticias

Continue lendo >>

Professor Adventista, diz que Jesus foi crucificado sentado, nu e sem coroa de espinhos

“Acredito na hipótese de que Jesus tenha sido crucificado sentado, apoiado em uma madeira que existia na cruz abaixo de seu quadril, com as pernas dobradas para a direita, nu e sem a coroa de espinhos”, diz Rodrigo, que também é professor do Centro Universitário Adventista de São Paulo (Unasp).

Para Silva, essas conclusões são baseadas, principalmente, em pistas deixadas por textos bíblicos e na literatura romana. A real posição de Jesus na cruz tem sido cada vez mais questionada, por conta de obras escritas por especialistas em religião do Oriente Médio. Essas obras popularizam a discussão em torno dessa questão, que já é tratada no meio acadêmico há bastante tempo.

“Os últimos Dias de Jesus – a Evidência Arqueológica” (Ed. Landscape) é uma dessas obras, escrita pelo arqueólogo Shimon Gibson, da Universidade da Carolina do Norte . Ale argumenta que “para prolongar a agonia e o momento da morte, os romanos posicionavam a vítima em uma espécie de assento de madeira, ou suporte de forquilha, na metade inferior da cruz”.

O motivo para isso seria que, sem essa espécie de apoio, o corpo tombaria e assim uma morte por asfixia ocorreria rapidamente. O objetivo dos romanos era dar à vítima a possibilidade de respirar melhor e sofresse por mais tempo antes da morte.

“A pessoa morre mais lentamente por asfixia dolorosa, porque os músculos do diafragma vão parando de funcionar até que ela deixe de respirar”, explica John Dominic Crossan, professor de estudos bíblicos da Universidade DePaul.

Em seu livro “Em Busca de Jesus” (Ed. Paulinas) esse tipo de assento também é descrito. O historiador espanhol Joaquín Gon­zalez Echegaray, do Instituto Bíblico e Arqueológico de Jerusalém, em “Arqueología y Evangelios” (Ed. Verbo Divino), o descreve como um tipo de “conforto”, que tinha um objetivo cruel.


Fonte: Folha do Sertão

Continue lendo >>