Páginas

28 de mai de 2011

Idosa chutada em Igreja Universal receberá 51 mil de indenização

A Justiça do Rio de Janeiro negou um pedido feito pela Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) em Rio das Ostras para diminuir a indenização de R$ 51 mil a ser paga a uma fiel de 71 anos, na época ela foi chutada durante um culto em 2004.

Segundo nota do Tribunal de Justiça o golpe, proferido por um auxiliar do pastor, lançou Edilma de Oliveira por 3 m. Ela sofreu uma fratura na perna com lesões irreversíveis.

Nos autos, consta que Edilma não recebeu socorro após o acidente. Ela foi submetida a duas cirurgias para colocação de parafusos de platina. Em consequência, a idosa passou a necessitar de consultas médicas periódicas e também de tratamento fisioterápico. Além disso, ficou impossibilitada de fazer suas tarefas domésticas e os doces que vendia para ajudar em seu sustento.

Em apelação, a igreja pediu que parte da sentença fosse anulada porque a autora não teria comprovado despesas com o evento e renda mensal. Segundo o desembargador e relator da 15ª Câmara Cível, Celso Ferreira Filho a Universal também tentou convencer a Justiça de que o fato de a mulher ter idade avançada e alguns problemas de saúde seria motivo para diminuir a indenização

Na decisão, o relator afirmou que a IURD reconheceu que o caso ocorreu no interior de suas dependências, "lugar que por sabença comum, se destina a práticas espirituais que deixam muitas vezes os fiéis fora de si". Segundo o desembargador, "não foi fruto do acaso nem fato imprevisível que a autora tenha entrado sã nas dependências da ré e de lá saído incapacitada em razão de lesões".

Na decisão, o desembargador, ao manter a sentença de 1º grau, perguntou: "será que a ré não tem a percepção para dimensionar a dor sofrida por uma idosa que entrou íntegra em suas dependências apenas para orar e, ao sair, estava multilesionada, tendo que percorrer uma verdadeira "via crucis", por corredores de hospitais e através da interminável estrada da terapia medicamentosa?"

Terra|Pátio Gospel Noticias

Continue lendo >>

Dilma fala que kit anti-homofobia fazia propaganda homossexual

A presidente Dilma Rousseff afirmou que não aprova o kit anti-homofobia porque o governo não pode interferir na vida privada dos brasileiros. “O governo defende a educação e também a luta contra práticas homofóbicas. No entanto, não vai ser permitido a nenhum órgão do governo fazer propaganda de opções sexuais”, afirmou.


Segundo Dilma, a função do governo é apenas educar para que se evite agressões e desrespeitos à diferença. “Nós não podemos interferir na vida privada das pessoas. Agora, o governo pode sim fazer uma educação de que é necessário respeitar a diferença, que você não pode exercer práticas violentas contra aqueles que são diferentes de você”, disse.


O kit seria composto por vídeos que tratavam de transexualidade e bissexualidade e deveriam ser exibidos e debatidos em salas de aula do ensino médio no segundo semestre de 2011. O objetivo do material, composto de três filmes e um guia de orientação aos professores, seria trazer para o ambiente de 6 mil escolas o “tema gay” como forma de reconhecimento da diversidade sexual e enfrentamento do preconceito.

O ministro da Educação, Fernando Haddad, afirmou que os vídeos do kit anti-homofobia poderão ser integralmente refeitos. O material será avaliado pelo ministério e pela Presidência da República para que seja refeito, mas ainda não será distribuído.

G1|Pátio Gospel Noticias


Continue lendo >>