Páginas

11 de mai de 2011

Casamento a um clique: Sites de namoro evangélico crescem no país

Jovem, bonita, estudante de psicologia e membro atuante da Igreja Sara Nossa Terra na cidade de Florianópolis. A catarinense Nathália Smania Navarro, 21 anos, não se encaixa muito bem na imagem que a maioria das pessoas pode ter de alguém que procura um relacionamento em sites de namoros.
 Na verdade, nem Nathália imaginava que poderia encontrar um homem especial pela internet – até topar com a propaganda do RomanceCristão.com no Orkut, ela nem sabia que esse tipo de serviço existia. No entanto, sem ter mais nenhum amigo online às duas horas da madrugada, resolveu experimentar, meio que de brincadeira ou por pura curiosidade, e se cadastrou no site. “Meu pensamento era de que nesse tipo de serviço só veria pessoas que não encontram ninguém em suas igrejas por algum motivo. E eu também não iria querer ninguém de site”, lembra.


A surpresa de Nathália foi ao encontrar ali André, que mora em Ouro Preto (MG) e atua como jogador de futebol. “No mesmo dia que me cadastrei, vi a foto dele e pensei: ‘Senhor Jesus! Que menino é este?’”, brinca. Na mesma hora, a moça mandou um recado para André e dois dias depois começaram a conversar à distância. Mas só depois de três encontros pessoais é que decidiram atar um namoro. A relação vai bem, obrigado.

Essa facilidade virtual de se encontrar e fazer relacionamentos tem conquistado muitos brasileiros. Segundo uma pesquisa divulgada pela Nielsen, empresa especialista em comportamento do consumidor, o Brasil é o país com o maior número de internautas usando sites de relacionamento. Atualmente, 80% dos brasileiros que navegam na internet estão ligados aos sites que a empresa de pesquisas chama de comunidades de membros, que incluem blogs e redes como o já popularizado Orkut, o Facebook e sites de namoro virtual.

Para o público evangélico, os sites de relacionamento começaram em 2003 e um dos pioneiros foi o AmorEmCristo.com, que hoje afirma estar próximo de 1 milhão de usuários cadastrados – 60% dos quais, mulheres. “Somos o maior site de relacionamento evangélico do Brasil”, afirma o CEO Carlos Vinicius Buzulin de Souza. Segundo ele, a proposta vai muito além do interesse comercial, mas constitui um verdadeiro ministério. “Temos os princípios bíblicos como base para tudo que fazemos no site, desde uma resposta de e-mail a uma aprovação de foto”, garante.

Cinco anos depois da chegada do pioneiro AmorEmCristo.com, o mercado de serviços de namoros evangélicos ainda se mostrava carente de opções. Até então, o que havia eram iniciativas como as agências matrimonias, como a Anelo e a Aliança Evangélica, surgidas nos anos 1990. O interessado pagava uma taxa para deixar ali registrados os seus dados pessoais e preferências em relação ao futuro cônjuge, e possíveis pretendentes tinham de fazer contato com a empresa e colocar-se à disposição para um contato. Agora, a coisa se profissionalizou. “Com uma bagagem de dez anos da equipe em relacionamentos online, sentíamos a falta de um serviço sério para namoro e casamento aqui no Brasil”, diz Marcos Vieira, diretor da equipe que criou o RomanceCristão.com, em 2008. Com quase dois anos de trabalho, o site anuncia ter hoje quase 400 mil cristãos brasileiros cadastrados. “Nosso primeiro objetivo é atingir a marca de um milhão de cristãos. Queremos ser uma referência, o maior site de namoro cristão no Brasil. E estamos no caminho certo”, orgulha-se Vieira. O texto de abertura do site já diz tudo: “Encontre pessoas que compartilham a mesma fé e têm o mesmo objetivo que você: encontrar uma pessoa para romance, namoro e casamento.”


Sozinha (ou “single”, com preferem alguns)

Há cinco anos “single” e há três usando sites de relacionamento evangélicos, a fisioterapeuta Silvani Rodrigues Souza, 39 anos, frequenta a Igreja Batista de Diadema (SP), onde não há um ministério específico para solteiros. “A alternativa é usar os sites”. Por isso mesmo, ela frequenta várias páginas do gênero. Com milhares de disponíveis desfilando por sua tela, Silvani até conheceu dois homens através do site Combine – serviço do portal Ig que não tem orientação cristã –, mas, criteriosa, não se identificou com eles após a troca das primeiras mensagens. Preferiu apresentá-los a duas amigas, e um dos casais que se formou está às portas do matrimônio. Já ela continua à espera de um companheiro ideal, mas deixa claro que não se sente pressionada por sua “solteirice” e que jamais abrirá mão de seus valores em troca de um casamento.


Tomar a iniciativa

Mas não basta preencher a ficha, formalizar a adesão e encomendar as alianças. Os especialistas dizem que várias etapas devem ser cumpridas antes que o simples flerte da telinha se transforme num relacionamento amoroso de verdade. “É preciso conversar bastante com a pessoa, passar contatos só depois de sentir-se minimamente seguro e marcar os primeiros encontros em locais públicos”, enumera Carlos Buzulin. Por isso mesmo, cada vez mais os sites têm disponibilizado ferramentas e recursos. “Nossa experiência mostra que usuários que completam o seu perfil com sinceridade e disponibilizam boas fotos têm mais chances de encontrar e serem encontrados”, revela Marcos Vieira, do RomanceCristao.com. Mas nada vai adiantar se a pessoa ficar passiva simplesmente à espera de que um príncipe encantado – ou princesa, claro –.se materialize à sua frente. “Nós sempre recomendamos que o usuário tome a iniciativa.”

Para quem encontra certa dificuldade em dar o primeiro passo, mesmo que seja em um relacionamento virtual, os sites dão uma mãozinha. Os principais já contam com serviços extras de atendimento psicológico, um verdadeiro consultório virtual onde dúvidas e angústias podem ser sanadas. No Divino Amor, uma terapeuta posta artigos e responde perguntas dos usuários. “Sempre orientamos as pessoas para que sejam verdadeiras e transparentes. Criar um personagem para ficar mais interessante não costuma ser uma boa saída”, conta a psicóloga clínica e psicanalista Juliana Amaral, que trabalha no site.

Segundo ela, é normal, nesse tipo de situação, idealizar como será a pessoa do outro lado da telinha. “Quando se conversa pelo computador, a ausência de elementos importantes numa relação, como o olhar, o tom de voz, a presença física e até os gestos, pode levar a fantasias irreais”. É neste momento que conhecer pessoalmente o outro se torna imprescindível, principalmente quando o relacionamento tem ambições amorosas. Juliana recomenda que os usuários vejam estes sites apenas como um meio de conectar pessoas. “O restante deve ser feito como em qualquer outro relacionamento. Esse é um princípio fundamental.”

Se o negócio é lançar a rede no mundo virtual, muita gente não tem perdido tempo. Renata Caiado Marques, hoje casada e com dois filhos, encontrou o marido Filipe no AmorEmCristo.com. Meio por acaso, é verdade – ela viu o perfil dele no computador de uma amiga, que já era usuária do serviço, e decidiu se cadastrar também.

Já o representante comercial Filipe, que aderiu ao site na primeira hora, conta que já tinha conhecido algumas pessoas pela internet, mas sem grandes resultados. Quando tomou conhecimento da existência de Renata, resolveu investir. “Primeiro, orei para Deus me orientar e separar alguém; depois, senti no coração a direção dele na minha vida. Aí, ficou tudo mais fácil”, garante. Mensagem para lá, mensagem para cá, a coisa ganhou ares de seriedade, e dali para um encontro ao vivo e em cores foi um pulo. “Estamos casados há cinco anos”, diz Renata. Eles, que congregam na Igreja Batista Central da Barra, no Rio, acreditam que os sites de relacionamento amoroso entre evangélicos são uma chance para se encontrar alguém abençoado e constituir família.


Cônjuge a um clique

 “Veja como as coisas mudam neste mundo. No início, a internet era acusada por isolar as pessoas; agora, vemos situação contrária – a grande rede promove relacionamentos”, comenta o pastor Jasiel Botelho, missionário de Servindo Pastores e Líderes (Sepal) e fundador do ministério Jovens da Verdade. “O relacionamento pessoal tem menos opções. Na internet, você pode conhecer ao mesmo tempo 10, 100, mil pessoas. As possibilidades de encontrar alguém que combine com sua fé, gostos e preferências são muito maiores”. Veterano da era pré-computador, ele mesmo precisou viajar mil quilômetros para conhecer Ivone, que acabou se tornando sua mulher. “Agora, as pessoas podem conhecer seu futuro cônjuge através de um clique”. Botelho reconhece que era crítico dessa história de sites de namoro, por conhecer histórias de gente que foi enganada e acabou decepcionada. No entanto, hoje, diz que conhece vários casos de relacionamentos bem sucedidos e que começaram pela rede de computadores: “Alguns deles acabaram em casamento”, comenta.

No entender do pastor, que junto com Ivone atua prestando aconselhamento a casais há mais de 20 anos, o sucesso destes serviços cresce na lacuna deixada pelas igrejas. “A igreja, que inicialmente deveria ser um espaço de amizade e amor ao próximo, agora é um lugar onde as pessoas não se encontram. Não há relacionamento e muitas vezes os membros não conhecem nem mesmo o pastor”, avalia Botelho. “Parece um metrô ou elevador, sempre lotados de gente que sequer falam entre si”. Além disso, o enfoque nas comunidades evangélicas é sempre mais voltado às famílias: “Os chamados sós estão abandonados e sofrem preconceito. Não é à toa que solteiros de ambos os sexos, a partir dos 30 anos de idade, têm abandonado suas congregações”. É justamente esse público que encontrou na internet um aliado para conhecer outras pessoas, seja apenas para cultivar ou manter uma amizade, ou mesmo visando a encontrar o almejado par perfeito. Mesmo diante de tantos casos de divórcio, o matrimônio continua sendo o sonho da maioria das pessoas, religiosas ou não. Nada menos que 900 mil casamentos são realizados anualmente no Brasil, segunda estimativa feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Engrossar tais estatísticas é o objetivo da viúva Maria Cecilia dos Santos Palmeira, 56 anos. “Gostei do Divino Amor porque você pode selecionar a idade e a cidade na busca por um perfil interessante”, comenta. “Nem sempre essa ferramenta é oferecida”. Membro da Igreja Cristã da Trindade, ela viveu quase três décadas com seu marido, um pastor. “Caí de paraquedas na vida de solteira”, diz. Ela encontrou nos sites de relacionamento uma alternativa para a procura por um novo parceiro e também amigos. “Eu vou para a igreja para louvar a Deus, e não para procurar namorado. Além disso, os homens que existem nas igrejas não querem compromisso, ainda mais com uma mulher mais velha”, reclama. Madura, ela sabe que a internet é uma alternativa, mas também requer muitos cuidados. Cecília já encontrou na rede homens casados que escondiam seu estado civil em busca de casos, mentiam sobre a fé ou até mesmo pretendiam aplicar golpes. Uma dessas histórias aconteceu com um rapaz que afirmava ter 27 anos e se dizia apaixonado pela viúva. “Eu perguntei se ele não preferia conhecer uma das minhas filhas”, lembra, rindo.

Ela conta que entrou no primeiro site pensando que todo mundo era cristão e com princípios. Com o tempo, aprendeu a ouvir mais do que falar e também ler certos comportamentos dos homens nas entrelinhas. “Se ele nunca atender o telefone no horário do jantar, por exemplo, pode ser que tenha outra família”, ensina. Atualmente, Maria Cecília está se encontrando com uma pessoa do site, que mostrou certa credibilidade ao exibir seus documentos, inclusive a carteirinha de membro da igreja, e ainda ofereceu o próprio número de telefone e o nome de seu pastor. “Mas vou continuar com um olho aberto e outro fechado”, diz.


“Máscara”

Um dos fundadores do ministério virtual SexxxChurch, o designer Jota Mossadihj, 26 anos, recomenda mesmo cautela. Ele conta que muitas pessoas que usam esses serviços pensam que estão em um espaço sagrado e protegido. “Mas não é porque o site tem orientação evangélica que será diferente dos outros. Eles também podem ser usados como máscara”, afirma. Membro da Igreja Vineyard de São Paulo, Jota conta que o SexxxChurch foi criado para prestar assistência a pessoas viciadas em pornografia, abordando a questão de maneira clara, sem moralismos, apesar de a proposta do trabalho também ser evangelística. No vale-tudo da internet, tudo é possível. “É que os usuários, principalmente quando são crentes, ficam menos cuidadosos quando o site tem uma identidade cristã”.

Na sua opinião, os mantenedores dos sites também deveriam ser mais criteriosos e responsáveis em relação aos clientes e a questões de segurança, já que, ao disponibilizarem o serviço, recebem pagamento. Até mesmo a seriedade de intenções de quem se coloca à disposição ali deve ser bem avaliada, diz ele. “Diferentemente do que se imagina, as pessoas também procuram gente apenas para paquerar, e não visando a um compromisso sério”. A fisioterapeuta Silvani – aquela que conheceu dois rapazes e preferiu apresenta-los às suas amigas – faz coro: “Há quem procure mulheres crentes apenas porque querem alguém com boa moral”. Até hoje ela não conseguiu encontrar um parceiro que combinasse com seus sonhos, que segundo Silvani, não são nada ambiciosos. “Procuro um parceiro sério, trabalhador. Esse negócio de louro, alto e rico é muito raro”, brinca.


Disponíveis, mas exigentes

Embora com as mais diversas origens, experiências e desejos, as pessoas que usam os serviços de sites especializados em relacionamentos entre evangélicos quase sempre têm a mesma motivação: encontrar um parceiro que comungue da mesma fé, aja com respeito e responsabilidade e tenha intenção de constituir família.

Cristianismo Hoje|Pátio Gospel Noticias 

Continue lendo >>

Russo desenvolve cyborg para hospedar a alma; igreja protesta

A Igreja Ortodoxa Russa criticou o projeto “Rússia 2045” de cientistas daquele país que prevê a criação de um corpo cibernético para abrigar a alma de pessoas que estiverem para morrer. 

 Alexey Osipov, teólogo e professor da Academia Espiritual de Moscou, entidade ligada à igreja, disse que Deus não permite que haja a separação entre alma e corpo. Argumentou que o ser humano é “uma unidade” e não dá para separar uma coisa de outra. “A criação decyborgs seria uma interferência na natureza humana.”

Dmitry Itskokov, responsável pelo projeto, discorda porque, para ele, a alma (ou o espírito) não vem do transcendente, de Deus, mas de um conjunto de informação (que inclui um modo de raciocínio, conhecimento, memória, sensações, etc.) alocado na mente das pessoas. 

Nesse sentido, segundo ele, em algum momento será perfeitamente possível transportar essa “massa de informação”, vertida em bits, para um corpo cibernético, havendo, em consequência, a conquista da imortalidade. 

O cientista disse que esse corpo será tão ou mais perfeito que o organismo humano e que as pessoas vão ter a opção de morrer ou de continuar a viver por intermédio da tecnologia.

O site do projeto apresenta manifestações favoráveis ao cyborg. O cientista Aleksandr Aleksandrovich, por exemplo, disse que um organismo artificial poderá suportar condições ambientais extremas, como altas temperaturas, pressão e radiação, sendo, portanto, fundamental para a conquista pelo homem de outros planetas. 

Itskokov afirmou que os religiosos, em vez de se opor ao desenvolvimento das tecnologias avançadas, deveriam contribuir para a elaboração de novos paradigmas filosóficos e éticos para essa nova fase que a humanidade iniciará em breve. 



Com informação do  Interfax e  projeto Rússia 2045, entre outros sites.

Continue lendo >>

Gaúchos criam bar Gospel e fazem sucesso até entre ateus

Na contramão do que estamos acostumados, uma casa noturna tem atraído olhares curiosos e público constante. Trata-se do Shaddocks Gospel Pub, uma nova opção gastronômica e musical da cidade gaúcha de Santo Ângelo.


A ausência de bebidas alcoólicas não é questionada. Canções cristãs ecoam no ambiente e demonstram que, à exceção dos desavisados, quem vai ao local não espera escutar as trilhas que são sucesso nas rádios. – Percebemos que um bar com essa temática teria espaço na região. E o público tem comprovado que não estávamos enganados – explica o empreendedor Thiago Castanho, 25 anos.
Frequentador da Igreja do Evangelho Quadrangular, Castanho é sócio do amigo Junior Cesar Flores, 22 anos. Com consultoria do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), a dupla espera reaver o valor investido em até um ano. E desde a inauguração, no início de abril, o pub gospel tem mantido a casa cheia, com mesas nas calçadas e fila de espera.

A proposta agrada mesmo quem não é fiel assíduo dos templos religiosos, como o casal Amanda Silva, 28 anos, e Diogo Marques Carvalho, 27, que passava próximo ao pub e resolveu conferir o empreendimento. – Não somos de igreja, mas gostamos muito. O clima é agradável, acolhedor. Eu bebo pouco, então a ausência de álcool não incomoda – diz Amanda, enquanto escuta o grupo Adoração Tchê.

A exemplo de bares gospel de Nova York e São Paulo, a iniciativa mostra não ser à toa a presença cada vez mais frequente de programas de louvor em televisão e rádio, além de lojas religiosas. Os membros dessa comunidade buscam espaços onde se reconheçam: – Existem várias bandas musicais que falam de Deus, mas lugares como o Shaddock’s, é bem difícil – afirma o produtor musical Fernando de Souza, 23 anos, morador de Vacaria e vocalista da banda Adoração Tchê.

A biomédica Thalise Alves, 22 anos, e o amigo atendente de telemarketing Eduardo Nascimento, 24, se encaixam no perfil dos que mais frequentam o pub: são evangélicos e há tempos procuravam um lugar com o qual se identificassem. – Não é só para quem é de igreja, é um local para quem quer sair com a família ou amigos, comer bem, se divertir, e, principalmente, para aqueles que não entendem a lógica da bebida ser sinônimo de alegria – diz Thalise.

Conheça melhor no vídeo abaixo:







Zero Hora|Pátio Gospel Noticias



Continue lendo >>

Senado deve votar PLC 122 nesta quinta

A Comissão de Direitos Humanos (CDH) deve votar nesta quinta-feira (12) o substitutivo que a senadora Marta Suplicy (PT-SP) realizou no PLC 122, projeto que visa criminalizar a homofobia em território nacional.

O texto substitutivo propõe a não criminalização dos discursos feitos dentro de igrejas e tem causado polêmica entre os ativistas LGBT, que consideram uma descaracterização da lei.


A equipe da senadora rebate tal argumento e diz que a homofobia “será criminalizada” e que interferir nos discursos religiosos fere a “liberdade dogmática”. Mas, nas vias públicas, as agressões verbais, físicas e nos programas de televisão e rádio, a homofobia continua a ser criminalizada.

O Projeto de Lei Complementar 122/2006 é de autoria da ex-deputada federal Iara Bernardi (PT-SP) e foi aprovado em 2006 pela Câmara dos Deputados. Mas, desde que chegou ao Senado, tem enfrentado forte resistência das bancadas religiosas e conservadoras. O PLC 122 chegou a ser arquivado no começo deste ano. A senadora Marta Suplicy conseguiu recolher assinaturas para desarquivá-lo e agora inicia uma nova luta em torno da aprovação da criminalização da homofobia, que antes era tocada pela ex-senadora Fátima Cleide (PT-RO).

Parlamentares e ativistas da causa LGBT acreditam que agora é o “grande” momento de se votar o PLC 122 e também o casamento igualitário, nos mesmos moldes do projeto argentino. Acreditam que com a aprovação por unanimidade das uniões estáveis para casais homoafetivos pelo Supremo Tribunal Federal (STF), a imagem do Congresso Nacional ficou taxada de “atrasada” e que tal adjetivo tem incomodado as bancadas progressistas.

A demanda do projeto do casamento igualitário deve ser assumida pelos deputados Jean Wyllys (PSOL-RJ) e Manuela D’ávila (PCdoB-RS), que é a presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Tanto Wyllys quanto a deputada têm se destacado pelo trabalho na Câmara em defesa dos direitos homossexuais e também no enfrentamento com o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) e outros homofóbicos que utilizam da imunidade parlamentar para espalhar opiniões intolerantes e arcaicas.

A Capa|Pátio Gospel Noticias

Continue lendo >>