Páginas

27 de dez de 2011

Silas Malafaia Responde às Acusações de Homofobia de Jean Wyllys

silas-malafaia-twitterO Pastor Silas Malafaia respondeu às acusações feitas pelo deputado e ex-BBB Jean Wyllys, Psol-RJ, dizendo que a homossexualidade é uma questão comportamental e não pode ser comparada ao racismo.


A declaração foi feita na última segunda-feira, 26, através de sua conta no Twitter. Ainda no microblog, ele chamou o deputado de "mentiroso de marca maior".

As declarações foram em resposta à entrevista dada por Jean à Folha dizendo que “padres e pastores devem ser sancionados por atacarem homossexuais em seus programas de TV e rádio e por promoverem programas de ‘recuperação’ ou ‘cura’ da homossexualidade”.

Silas Malafaia, em seu microblog, negou a prática dizendo que "os pastores pregam a libertação de qualquer tipo de pecado. São os próprios homossexuais que pedem ajuda para serem libertos", afirmou.

O pastor defendeu a tese que ninguém nasce homossexual, e que por ser comportamental, não deve ser comparada ao racismo e nem ter uma lei específica para eles. “Crime de injuria já está previsto em lei, seja para homossexuais, seja para heterossexuais", escreveu.

As acusações continuaram. Malafaia disse que os homossexuais são o "grupo social mais intolerante da pós-modernidade" e afirmou que a maioria da população não aceita a união homossexual.

Referindo-se à lei que criminaliza a homofobia, o pastor disse “O medo de Jean Wyllys: Uma consulta popular nas próximas eleições para o povo decidir se apoia ou não a união homoafetiva. Ele já sabe qual ė o pensamento da sociedade Brasileira: Não!"

Jean Wyllys respondeu, também através do Twitter, que sua Bíblia são as "cláusulas pétreas da Constituição Cidadã". Sem citar o nome do pastor, o deputado afirmou que é a Constituição que "garante a pluralidade dos homens e mulheres e a lacaidade (sic) do Estado, fundamental para a diversidade religiosa".

A repercussão no microblog foi grande. Mensagens a favor e contra levaram o nome de Jean aos Trending Topics do Twitter. O do Malafaia não entrou entre a lista dos mais citados.


fonte: The Christian Post.

Nenhum comentário:

Postar um comentário