Páginas

11 de mai de 2011

Russo desenvolve cyborg para hospedar a alma; igreja protesta

A Igreja Ortodoxa Russa criticou o projeto “Rússia 2045” de cientistas daquele país que prevê a criação de um corpo cibernético para abrigar a alma de pessoas que estiverem para morrer. 

 Alexey Osipov, teólogo e professor da Academia Espiritual de Moscou, entidade ligada à igreja, disse que Deus não permite que haja a separação entre alma e corpo. Argumentou que o ser humano é “uma unidade” e não dá para separar uma coisa de outra. “A criação decyborgs seria uma interferência na natureza humana.”

Dmitry Itskokov, responsável pelo projeto, discorda porque, para ele, a alma (ou o espírito) não vem do transcendente, de Deus, mas de um conjunto de informação (que inclui um modo de raciocínio, conhecimento, memória, sensações, etc.) alocado na mente das pessoas. 

Nesse sentido, segundo ele, em algum momento será perfeitamente possível transportar essa “massa de informação”, vertida em bits, para um corpo cibernético, havendo, em consequência, a conquista da imortalidade. 

O cientista disse que esse corpo será tão ou mais perfeito que o organismo humano e que as pessoas vão ter a opção de morrer ou de continuar a viver por intermédio da tecnologia.

O site do projeto apresenta manifestações favoráveis ao cyborg. O cientista Aleksandr Aleksandrovich, por exemplo, disse que um organismo artificial poderá suportar condições ambientais extremas, como altas temperaturas, pressão e radiação, sendo, portanto, fundamental para a conquista pelo homem de outros planetas. 

Itskokov afirmou que os religiosos, em vez de se opor ao desenvolvimento das tecnologias avançadas, deveriam contribuir para a elaboração de novos paradigmas filosóficos e éticos para essa nova fase que a humanidade iniciará em breve. 



Com informação do  Interfax e  projeto Rússia 2045, entre outros sites.

Nenhum comentário:

Postar um comentário