Páginas

10 de mai de 2011

Homofobia não pode, mas preconceito religioso sim

O reconhecimento do casamento gay pelo STF (supremo Tribunal Federal) criou uma onda de manifestações de apoio na internet e discriminação. No microblog Twitter várias pessoas resolveram comemorar ridicularizando evangélicos, incluindo o Pastor Silas Malafaia.


O assunto ficou por algumas horas sendo um dos mais publicados do Twitter no Brasil, a tag  #uniaohomoafetiva, que assumiu a primeira posição deu lugar um tempo depois a ofensas como #todoscrentechora e #chupamalafaia, com ironias, palavrões e xingamentos.


O que mais se via eram palavrões direcionados ao líder da Igreja Vitória em Cristo, Pastor Silas Malafaia, por sua luta contra causas gays: “#crente fede #chupamalafaia safado”, afirmou uma usuária. “Ele vai pro céu da boca da onça, isso se a onça não for Homo, tbéemm! kkkkkkkk”.

Muitos cristãos e não cristãos reprovaram a criação e utilização das hashtags: “Sinceramente, acho injusta e preconceituosa a tag #todoscrentechora”, afirmou a jovem Suelen Gomes. “Antes crentes tinham preconceito contra homossexuais, agora é o contrário. #todoscrentechora is bullshit. Quem é preconceituoso agora?”, disse Micael Wandermurem. Nenhum deles afirma em seus perfis que são evangélicos ou se quer creem em Deus.

Para a twitteira Bia Nunes há preconceito nas palavras: “Falando em preconceitos, me explica porque #todoscrentechora foi parar nos TT’s (ranking de assuntos mais falados)? Tipo, homofobia não pode, mais questão religiosa pode zuar?” e completa: “Eu sou crente, tenho amigos gays, e não tenho preconceito nenhum, e ai? Não julguem todos por um grupo ;)”, concluiu.

STF não aprovou casamento homossexual

Vale lembrar que a decisão não se trata de aprovação do casamento homossexual, a proposta é um dispositivo legal que garante aos homossexuais seu reconhecimento como casal, mas não lhes da as mesmas garantias que os casados têm, como a permissão para adotar o sobrenome do companheiro. A união é tratada, basicamente, como um acordo comercial.

Os homossexuais, para serem reconhecidos em uma união estável, precisam cumprir os mesmo requisitos de casais heterossexuais, como convivência pública, duradoura e contínua. Para reconhecer a união, eles devem procurar um cartório e registrar a estabilidade da relação.

Com a decisão, 112 direitos que até então eram exclusivos aos casais formados por homem e mulher poderão ser estendidos aos casais homossexuais, como comunhão de bens, pensão alimentícia, pensão do INSS, planos de saúde e herança.

PLC 122

Aproveitando a polêmica, a PLC 122, lei anti-homofobia, acabou também se tornando um dos assuntos mais falados no twitter por alguns momentos. Simpatizantes da causa gay se mostraram mais confiantes na aprovação da lei no Senado.

 Veja, Gospel Mais|Pátio Gospel Noticias

Nenhum comentário:

Postar um comentário